top of page
  • Foto do escritorJessica Barros

A empresa pode usar a imagem dos seus funcionários nas redes sociais?


É inegável que o crescimento exponencial das ferramentas como Instagram, Faccebook, Tik Tok e outros alterou muitos costumes sociais. A forma de se relacionar e a forma com que os consumidores atualmente adquirem produtos e serviços, são exemplos disso.


Com essas modificações muitas empresas perceberam a necessidade de estar nas redes sociais e humanizar suas marcas.


Quem não conhece a Lu do Magalu, não é mesmo?


Para a empresa o problema é quando essa chamada “humanização” parte da utilização da imagem, nome e voz dos funcionários, porque isso pode gerar condenação em danos morais.


É verdade que a nossa legislação trabalhista não traz uma estipulação expressa quanto a proteção da imagem do trabalhador, no entanto, tais direitos de proteção à imagem, à voz, ao nome, à vida privada e à intimidade, independente de quem seja, são direitos constitucionalmente garantidos e estão também abarcados pela proteção da nossa legislação cível nos artigos 11 a 22 do Código Civil.


Assim, o Superior Tribunal do Trabalho – TST tem adotado o entendimento de que “a utilização de imagem de profissionais para fins de divulgação de produtos comercializados pela empresa, sem a sua anuência expressa ou compensação pecuniária, fere seu direito de imagem e configura abuso do poder diretivo” (RR-573-43.2020.5.12.0013).


Então quer dizer que eu não posso mais fazer live no interior da minha loja? E não posso postar a foto dos eventos e comemorações da empresa no meu site?


Calma são coisas diferentes...


O que você não pode fazer é: usar a imagem, voz, corpo ou parte do corpo do funcionário para fins comerciais sem autorização expressa dele e ausente de vícios. E vale alertar: Essa proibição vale para uso em site, mídias sociais ou plataformas digitais de qualquer tipo.


E o que você pode fazer é: usar a imagem, voz, corpo ou parte do corpo do funcionário para fins apenas de conteúdo meramente institucional e sem intenção promocional, como por exemplo: fotos no site de eventos internos comemorativos.


Mas e se o empregado autorizar? Posso usar?

Se esse consentimento for expresso, escrito e sem vício, pode.


E como seria um consentimento expresso, escrito e sem vício?

Como a relação entre empregador e empregado é entendida pelos tribunais como uma relação de vulnerabilidade para o empregado, o caminho mais seguro envolve dois passos:


  1. Coletar a assinatura do empregado em termo de consentimento próprio ou em cláusulas destacadas no contrato de trabalho;

  2. Fixar um pagamento adicional para o uso dessa imagem levando em consideração a quantidade de postagens e repostagens mensais, quitando-as também mensalmente.


Seguindo esses passos a empresa estará não apenas diminuindo substancialmente os riscos de possíveis condenações de ordem moral e material, mas também estará cumprindo as determinações da Lei Geral de Proteção de Dados que veda expressamente o tratamento de dados concedidos mediante vício de consentimento (Art. 8°, §3°, da LGPD).


E um último alerta: O funcionário foi demitido ou pediu demissão? Retire as postagens ou estabeleça um contrato no âmbito civil para compensação.


Gostou do conteúdo? Compartilhe!


Jessica de Carvalho Barros é advogada especialista em negócios com atuação no Direito Civil Empresarial e Tribunais Superiores. Especialista em Compliance e LGPD. Mediadora de Conflitos formada pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ. Palestrante, escritora de obras e artigos jurídicos e mentora de jovens advogados.




28 visualizações1 comentário

1 comentário


Kelly Pegatin
Kelly Pegatin
04 de out. de 2022

Acredito que não sem a autorização do mesmo .

Curtir
bottom of page